S. Rafael Kalinowski e o Menino Jesus

S. Rafael Kalinowski, como bom carmelita teresiano que era, não podia deixar de alimentar uma devoção especial ao Menino Jesus; uma devoção transmitida por uma sã tradição da Ordem e uma devoção estimada e actual nos nossos dias; uma devoção que transporta tantos frutos de maturidade espiritual e de santidade às pessoas.
A origem desta devoção ao mistério da Incarnação de Jesus e à infância do Senhor encontramo-la no nosso Santo no tempo em que, condenado a trabalhos forçados durante dez anos na Sibéria, fazia a sua viagem para este seu terrível destino. Esta viagem, iniciada nos fins de Junho de 1864 e terminada após longos nove meses, começou em comboio, depois em navio a vapor no rio Volga, seguindo depois em “kibitki” (carros puxados a cavalo) e finalmente a pé. Em Dezembro de 1864 chegou à cidade de Tomsk, onde permaneceu alguns dias. Foi ali que, por ocasião do Natal, S. Rafael, às primeiras horas do dia, se pôde recolher na igreja. Este acontecimento – como rezam as suas “Memórias”– trouxe-lhe “uma grande alegria”. E continua, no próprio dia do Santo Natal, para adorar o Pequeno Reizinho, o Santo Menino Jesus que vem até nós, “não fugindo ao frio que fazia na igreja, participou na Santa Missa: três por si e três por um amigo da mesma aventura, doente de tifo e em perigo de vida”. E não ficou desiludido! O amigo, Casimiro Laudyn, curou-se e ficaram amigos por muitos anos de vida. S. Rafael confessa, que quando entrou nesta igreja católica de Tomsk, e quando ouviu o som do órgão, não conseguiu reprimir umas silenciosas lágrimas. Este era um Natal diferente, um encontro único com o Menino Jesus na manjedoura, um encontro único com o Senhor na Eucaristia.
Conhecemos a descrição de um outro Natal siberiano do nosso Santo. É a de um seu amigo da aventura, o futuro capuchinho P. Wenceslao Nowakowski, no opúsculo “Wilia w Usolu roku 1865” (A vigília de Natal em Usole no ano de 1865). O opúsculo, publicado em Cracóvia no último decénio do século XIX, testemunha a grande estima que S. Rafael gozava entre os companheiros da mesma aventura: no discurso natalício, que ele próprio fez, falou do Menino Jesus, da pobreza e perseguição revelados no nascimento e na fuga para o Egipto, que vinham ajudar e dar coragem a todos os pobres e deportados da terra. Todos quiseram manifestar ao Santo a sua alegria e partilhar com ele o oplatek (o pão branco do Natal), que evoca o significado etimológico do nome dioe Belém (Bet-lehem: a casa do pão) e prefigura simbolicamente o nascimento quotidiano na Hóstia santa sobre o altar. A tradição polaca da partilha do oplatek pelo Natal ainda permanece viva entre os polacos.
Por isso, o carmelita descalço, S. Rafael venerava o Menino Jesus com este amor que reveste a Ordem e o legado ao Santuário do Divino Reizinho em Praga. Desejava que o seu coração fosse um trono digno para o Menino Jesus e na sua actividade pastoral incutia os outros a fazerem o mesmo. Citamos um dos seus textos espirituais: “Naquelas velhas imagens, uma chama-me particularmente a atenção: o Menino Jesus espera docemente, porque quer encontrar uma digna morada no coração humano. Para começar, é o nosso próprio Salvador que arruma o nosso coração, purifica-o, fortalece-o e adorna-o com a sua graça; por fim, o Divino Menino entra nele e encontra uma morada agradável”. A seguir S. Rafael acrescenta: “Menino Jesus perdoa os pecados do homem, e dá-lhe força para que se possa revestir de virtudes; concedei-lhe as vossas bênçãos”. E, de facto, é o que está acontecer, porque Ele “quer que o coração do homem seja um altar da Sua presença: Altare Dei, cor nostrum”.
Foram estes os votos que S. Rafael fez ao concluir uma conferência espiritual às carmelitas descalças, também elas devotas do Menino Jesus de Praga: “Que o Menino Jesus se apodere das vossas almas, para que possais cantar já na terra juntamente com os anjos: Glória a Deus nas alturas, e depois o possais ter no céu para sempre! E que tudo se faça por intercessão da Sua santíssima Mãe, a Virgem Maria”.
Nota:
Frei Rafael foi beatificado por João Paulo II, em Cracóvia, no dia 22 de Junho de 1983 e canonizado também por João Paulo II, no dia 17 de Novembro de 1991. José Kalinowski nasceu em Vilnius, actual capital da Lituânia, no dia 1 de Setembro de 1835 e morreu no dia 15 de Novembro de 1907.

 

| 2008-01-01 |

 

| Lista das notícias | |